Dor causada pela endometriose tem tratamento?

 em Matérias

Dores persistentes na pelve, região popularmente conhecida como bacia, são um dos principais sintomas da endometriose, condição que atinge uma em cada dez brasileiras. No entanto, o que muitas mulheres que sofrem com a condição não sabem é que tratar apenas da endometriose pode não ser suficiente para ficar livre da dor pélvica.

Os tratamentos médicos mais realizados para a endometriose nem sempre eliminam a dor por completo e, em alguns casos, como aqueles que envolvem cirurgia, podem até mesmo acabar sendo um gatilho para mais dor devido à sensibilização do sistema nervoso no local.

É por isso que o tratamento global da dor, com especialistas que vão além da ginecologia que avalie os sintomas do paciente de forma mais completa, é essencial para que a paciente se recupere e consiga viver uma vida normal.

Elaboramos um pequeno guia para ajudá-lo a entender melhor o que causa a dor e como ela pode ser resolvida por meio da colaboração entre um Neurologista e um Fisiatra, especialistas em dor.

O tratamento com o especialista em dor

Somente tratar a lesão física da endometriose pode não resolver a dor. Isso porque, com  a demora em diagnosticar e tratar a endometriose, a paciente acaba passando por anos de dor e de sensibilização do sistema nervoso na região da pelve. Mesmo que o tratamento contra a endometriose tenha sucesso, algumas vezes esses mecanismos de dor continuam acionados. Em outras palavras, a endometriose pode até desaparecer por completo, mas as consequências dolorosas pelo acometimento do sistema nervoso, não.

É importante frisar que o tamanho e a quantidade de lesões da endometriose não têm relação com a intensidade da dor. Ou seja, poucas lesões podem gerar muita dor e muitas lesões podem gerar pouca dor.

A necessidade de um especialista em dor torna-se ainda maior ao analisarmos os possíveis mecanismos de dor envolvidos na endometriose. Cada mulher sente um ou mais desses mecanismos e em diferentes intensidades. São eles:

  • dor nociceptiva, também conhecida como dor inflamatória, é resultado da estimulação dos receptores de dor do sistema nervoso por conta de uma lesão;
  • dor neuropática é aquela provocada por lesões no sistema nervoso, afetando parte da estrutura dos nervos;
  • dor muscular (miofascial) afeta os músculos e tecidos moles do corpo;
  • hiperalgesia é a sensibilidade exagerada à dor;
  • alodinia consiste na sensação de dor mesmo quando não há estímulo para isso.

Além disso, como trata-se de uma paciente em longo sofrimento, pode haver influência de humor e estresse, fatores psicológicos que afetam os níveis de cortisol, um hormônio envolvido na resposta ao estresse e, por consequência, na percepção da dor.

A compreensão completa de cada caso vem mais facilmente com o acompanhamento de um especialista em dor. Esse médico avalia a paciente de forma detalhada, atentando-se a ela como um todo, checando seu histórico médico, seus hábitos alimentares, sua rotina diária, atividade física e até mesmo seu ciclo do sono. A consulta médica é o primeiro passo na hora de iniciar um tratamento para a dor causada pela endometriose.

No Espaço Sinestesia, médicos neurologistas e fisiatras especializados em dor trabalham em conjunto para oferecer ao paciente um cuidado integral e personalizado, promovendo sua qualidade de vida. O tratamento pode incluir medicamentos, fisioterapia, psicoterapia, acupuntura, orientação nutricional, entre outros.

Confira os outros conteúdos sobre dor pélvica crônica e como tratar a dor pélvica.

Entre em contato com o Espaço Sinestesia para agendar sua consulta com os especialistas em dor que compõem nosso time,

Compartilhe

Recommended Posts

Deixe uma resposta

WhatsApp chat